segunda-feira, novembro 26, 2007

Atendendo a um pedido, aqui vai o meu poema favorito...

Eis-me acordado
Com o pouco que me sobejou da juventude nas mãos
Estas fotografias onde cruzei os dias
Sem me deter
E por detrás de cada máscara desperta
A morte de quem partiu e se mantém vivo

A luz secou na orla desértica da cidade
Escrevo para sobreviver
Como quem necessita partilhar um segredo

Este corpo em que me escondi
Gastou-se

Quantas noites permanecerão intactas
No fundo do mar? o rosto ainda jovem
Foi o tesouro de seivas que me entonteceu

Pelo corpo condeno-me à vida
De susto em susto à inutilidade da escrita

Mas eis-me acordado
Muito tempo depois de mim
Esperando por alguma fulguração do corpo
Esquecido
À porta do meu próprio inferno

Al Berto

10 comentários:

Daniela disse...

Intenso. =)

Luz disse...

Beijinho

Vertigo disse...

Al Berto.o anjo negro.adoro!

Insaciável disse...

Obrigada. Hoje precisava mesmo disso. Parece que adivinhavas.

Beijo grande

Francisco del Mundo disse...

daniela, bela palavra para descrever... Bem-vinda e já agora "O fado da meia laranja" é um dos mais bonitos que existem...:D
Beijo

Francisco del Mundo disse...

luz, beijo para ti e tenho pena de não poder visitar o teu cantinho...

Francisco del Mundo disse...

vertigo, somos dois...:D

Francisco del Mundo disse...

Saci, atendo sempre aos pedidos dos amigos e amigas...:D
Beijo enorme

Azul disse...

Olá Francisco,

Parece que sempre que me ausento e regresso... te encontro "em forma" :)

Parabéns pela escolha do poema. É sem dúvida um belo poema que nos toca a alma.

Beijinho para ti

AH!!! Boa formação. Que tudo corra como desejas. :)

Francisco del Mundo disse...

azul, por acaso ando um pouco sem ideias, mas isto passa...:D
Beijo